Terça-feira, 16 de Agosto de 2022

Brasil

Publicada em 23/07/17 às 08:29h - 729 visualizações
Contra superbactérias, hospitais tentam conter abuso na prescrição de antibióticos

Rádio AmarajiFM 98.5 Mhz- Amaraji PE

 (Foto: Rádio AmarajiFM 98.5 Mhz- Amaraji PE)

o final de janeiro, a estudante macapaense Adrielly Gadelha Montoril, de 23 anos, se preparava para um final de semana tranquilo após sua rotina de hemodiálise. Três vezes por semana, ela era submetida à transfusão de sangue por meio de uma fístula arteriovenosa - ligação entre uma artéria e uma pequena veia feita em seu antebraço.

A doença renal crônica que a acometia estava sob controle, e nada no horizonte indicava que ela precisaria de intervenções médicas emergenciais. Mas uma dor insuportável em seu braço, iniciada numa sexta-feira, deu o sinal de que algo poderia estar errado.

"Eu peguei uma bactéria na fístula - não sabemos como. Fiquei em casa no final de semana chorando de dor, pedindo ajuda para meu pai. Meu braço queimava. Fiquei três dias tomando antibiótico, e ela só foi progredindo. Crescia. A gente pensava que ela estava morrendo. Eu tinha febre, aquela agonia no meu braço. Mas a gente não sabia o que era aquela bactéria", relembra.

Na segunda-feira seguinte, quando Adrielly chegou ao hospital para uma nova sessão de hemodiálise, havia uma bolha negra em seu braço. "Os médicos se assustaram. Tiraram foto porque nunca tinham visto aquilo. Fui levada com urgência para a sala de cirurgia", relembra. "Meus pais não queriam acreditar. A fístula é um canal para o coração. Foi um milagre eu ter sobrevivido."

Adrielly foi vítima de uma infecção por uma versão resistente da bactéria Staphylococcus aureus. Além de ter que se submeter a uma cirurgia para limpeza da área, a estudante perdeu a chance de continuar com as transfusões.

Diante disso, a estudante teve que entrar de emergência na fila de transplante. Ela recebeu um novo órgão em abril. Após idas e vindas, teve alta definitiva na última terça-feira, mais de seis meses depois da infecção bacteriana.

Assim como Adrielly, casos de pacientes infectados por bactérias resistentes vêm crescendo no Brasil e já causam ao menos 23 mil mortes por ano, estimam especialistas.

Uma das principais causas da resistência bacteriana é o uso excessivo de antibióticos, inclusive dentro do ambiente hospitalar. Por esse motivo, hospitais brasileiros vêm implantando um novo sistema para controlar o consumo desses medicamentos e evitar abusos.

"Há uma dificuldade estrutural para enfrentar a resistência antimicrobiana, mas hoje sabemos que é preciso implementar regras básicas para diminuir o uso de antimicrobianos. O paciente chega com um problema e o médico já prescreve o antibiótico," afirma Sylvia Lemos Hinrichsen, médica infectologista e professora da Universidade Federal de Pernambuco (UFPE).

Desde o ano passado, Sylvia vem treinando hospitais brasileiros a racionalizar o uso de antibióticos, após estudar programas de gestão de uso desses medicamentos no Reino Unido.

Gestão racional

Chamadas de Antimicrobial Stewardship Program (ASM), as iniciativas começaram nos anos 2000 e se tornaram comuns na Europa e nos Estados Unidos com a preocupação crescente sobre superbactérias. No Brasil, programas para controle do uso de antibióticos também não são novos, mas as iniciativas ainda estão em fase inicial.

O objetivo é que os médicos usem antibióticos de maneira mais precisa e evitem desperdícios. Quanto mais se usa um antibiótico sem necessidade, maior o risco de se criar uma superbactéria.

De acordo com informações compiladas pelo Centros de Controle e Prevenção de Doenças (CDC) dos Estados Unidos em 2014, cerca de 20% a 50% dos antibióticos prescritos em hospitais de cuidados intensivos naquele país são ou desnecessários ou foram prescritos incorretamente.

No Brasil, as estatísticas não são melhores, segundo os médicos.

"Costumávamos tratar pacientes antes mesmo da cirurgia. A pessoa ia tirar um dente e começava com o antibiótico dias antes. E isso traz riscos muito graves", explica a médica Maria Manuela Alves dos Santos, superintendente do Consórcio Brasileiro de Acreditação, que certifica a qualidade de hospitais em parceria com a Joint Commission International.

Por Keila Guimarães, BBC




ATENÇÃO:Os comentários postados abaixo representam a opinião do leitor e não necessariamente do nosso site. Toda responsabilidade das mensagens é do autor da postagem.

Deixe seu comentário!

Nome
Email
Comentário


Insira os caracteres no campo abaixo:


Top Música
1
Meu violão e o nosso cachorro
Simone e Simaria  
2
Escreve aí
Luan Santana  
3
Camarote
Wesley Safadão  
4
Só num sonho
Ivete Sangalo  
5
Isso cê num conta
Bruno & Marrone  
6
Porta aberta
Belo  
7
Chuva de arroz
Luan Santana  
8
Lua de mel
Sorriso Maroto  
9
Sonhos de Deus
Padre Marcelo Rossi  
10
Do seu coração sou dono
Gabriel Diniz  
Peça sua Música

  • Paulo Neves
    Cidade: Recife
    Música: SAUDADE E SOLIDÃO- OFEREÇO A PESSOA DA RUA D AGUA - FAZER O QUE???
  • Paulo Sérgio
    Cidade: Tangará da serra
    Música: Não pare( Lidian lima )
  • Paulo Neves
    Cidade: Recife
    Música: LETICIA - ZE VAQUEIRO - OFEREÇO A TODAS AÍ DA RUA D\' AGUA - EITA TERRA MARAVILHOSA DESSAS CACHOEIRA
  • Paulo Neves
    Cidade: Recife
    Música: CANGOTE - ZÉ VAQUEIRO OFEREÇO A TODOS DE AMARAJI E DE ESPECIAL A NOVA PREFEITA E FAMILIA GOUVEIA - A
  • Paulo Neves
    Cidade: Recife
    Música: PODEM ATÉ NOS SEPARAR - OFERECO A AMARA DA RUA D AGUA E A TODOS DE AMARAJI
  • Paulo Neves
    Cidade: Recife
    Música: PODE ATÉ NOS SEPARAR - OFERECO A AMARA DA RUA D AGUAPRISCILA SENNA - MUSA
Estatísticas
Visitas: 971472 Usuários Online: 4


Hora Certa

Copyright (c) 2022 - Rádio AmarajiFM 98.5 Mhz- Amaraji PE - Todos os direitos reservados